Nurit Sharett > 7th Week/ 7ª Semana

We left Beijing for one week and went to Tian Shui. A small town in Gansu province, in the middle of China. Feng Kai, a school mate of our friend and the Chinese teacher Echo, invited us for a visit. Feng is involved with culture exchanges between Chinese and foreign artists. Her English is very limited and we couldn’t really understand what were her expectations from us and our visit. But our curiosity and sense of adventure helped us to decide. We bought our train tickets for a 16 hours drive on soft beds.

The days in Tian Shui were full of activities, Feng and her english speaking niece April, had a full program for us. We met a few calligraphers, visited a temple, saw a local Opera rehearsal, visited a local handcraft shop and factory and walked in the streets. From the beginning it was clear to us that we were in a very different city than Beijing. The local people reacted very strongly to our presence and it was obvious that they were not used to see foreigners. In every indoor place we visited, people wanted to be photographed with us. We posed in front of endless phones, hugging giggling young women, or smiling men and women.

The purpose of our visit was a conference Feng arranged on the evening of our second day. Three local artists, Gary and me had each half an hour to introduce our work. A Chinese painting teacher, a calligraphy teacher and a local photographer showed images and talked in Chinese without English translation. Gary showed images from his background as stage designer and the transition he made to being an artist. I was the last to talk. I talked about my process and way of work as a video artist and showed some excerpts of my works “The Sun Glows Over The Mountains“ and “Counting the Stars“. I didn’t feel any reaction from the audience. I didn’t not know if they were only tired or not interested. I suggested to make an open discussion and waited for questions from the audience. A deep silence filled the room. Obviously it is not the common way in China. Once I ended my presentation and the light were on, a long photo shooting took part and a few calligraphers prepared blessings and drawings for us.

We don’t know yet if this visit will lead to any further visits in Tian Shui. We were both happy we had this special experience although the excitement we faced was not so much from meeting us as individuals but as what we represented. Two westerners artists in a remote Chinese town.


Saímos de Pequim por uma semana e fomos para Tian Shui. Uma pequena cidade na província de Gansu, no meio da China. Feng Kai, uma colega de escola do nosso amigo e Echo, um professor de chinês nos convidaram para fazer uma visita. Feng está envolvida com trocas culturais entre artistas chineses e estrangeiros. Seu Inglês é muito limitado e não podíamos realmente entender quais eram suas expectativas em relação a nós e a nossa visita. Mas nossa curiosidade e senso de aventura nos ajudou a decidir. Nós compramos os bilhetes de trem para uma viagem de 16 horas em camas macias.

Os dias de Tian Shui foram repletos de atividades, Feng e sua sobrinha que falava inglês, April, tinham preparado uma programação completa para nós. Nós encontramos alguns calígrafos, visitamos um templo, viu um ensaio da Opera local, visitamos uma loja e uma fábrica de artesanato local e caminhamos pelas ruas. Desde o início, estava claro que estávamos em uma cidade muito diferente de Pequim. A população local reagiu fortemente à nossa presença e era óbvio que eles não estavam acostumados a ver estrangeiros. Em cada lugar que visitamos, as pessoas queriam ser fotografadas com a gente. Nós posamos em frente a incontáveis telefones, abraçando jovens que riam, ou homens e mulheres que sorriam.

O objetivo da nossa visita foi uma conferência que Feng organizou para a noite do nosso segundo dia. Três artistas locais, Gary e eu tivemos meia hora para apresentar nosso trabalho. Um professor de pintura chinês, um professor de caligrafia e um fotógrafo local mostraram imagens e falaram em chinês, sem tradução para o inglês. Gary mostrou imagens de sua formação como cenógrafo e da transição pela qual passou para se tornar artista. Eu fui a última a falar. Eu falei sobre meu processo e minha forma de trabalho como uma artista de vídeo e mostrei alguns excertos das minhas obras “The Sun Glows Over The Mountains“ and “Counting the Stars”. Não senti qualquer reação da platéia. Não sei se eles estavam apenas cansados ou não interessados. Sugeri fazermos uma discussão aberta e esperei por perguntas da platéia. Um profundo silêncio encheu a sala. Obviamente, está não é uma prática das mais comuns na China. Quando terminei minha apresentação e as luzes foram acesas, uma longa sessão de fotos começou e alguns calígrafos prepararam bênçãos e desenhos para nós.

Ainda não sabemos se nossa visita irá resultar em outras visitas a Tian Shui. Nós dois estávamos felizes com esta experiência especial, embora a excitação dos locais não era tanto pelo encontro conosco como indivíduos, mas por aquilo que representamos. Dois artistas ocidentais em uma remota cidade chinesa.

DSC_0548

DSC_0011

DSC_0335

DSC_0330

DSC_0337

DSC_0457

DSC_0345

DSC_0118DSC_0394

DSC_0225

DSC_0539

DSC_0542

Advertisements

About Nurit Sharett

Born in 1963, Tel Aviv, Israel. Lives and works in Tel Aviv, Israel / Nasceu em 1963 em Tel Aviv, Israel. Vive e trabalha em Tel Aviv, Israel.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: